Cigana da Estrada

Cigana da Estrada

Sou filha do Céu e da Terra; irmã da Água e do Ar. Sou o fogo na Floresta e a branca espuma no Mar. Sou a Loba; sou a Selva; sou a carícia da Relva; e a Carroça atrelada.v Sou a beira e o caminho; sou um pássaro sem ninho e do galho mais fraquinho, todos me escutam cantar! Sou a menina do Dia e a amante louca da Noite; sou o alívio e o açoite, e a carne esfacelada. Sou a abelha rainha, venha provar do meu mel, pois dentro do meu casulo, Você estará no céu! Se quer que lhe deixe louco entre um beijo e uma dentada, me chame de tudo um pouco, mas o meu nome é Strada ! Na sombra, eu sou Vaga-lume; na luz, eu sou Mariposa; sou o inseto que pousa e a lâmpada que é apagada. Nasci para passar o Tempo e ficar um tempo parada, mesmo que a vida insista, em me deixar estafada, vou seguindo, sempre em frente, pois topo qualquer jogada, todos sabem que existo, pois o meu nome é Strada ! Realizo a caminhada; sem precisar me cansar; percorro vários caminhos; importante é o Caminhar. Estou aqui, ali e acolá; o que não posso é parar. Sou casada com o poder de sempre ser encontrada, aceito qualquer roteiro, me chamam de caminheiro, mas o meu nome é Strada. Sou a primeira e a última, de todas as desgraçadas. Honrada ou desprezada; vil ou simplesmente sagrada; sou o som e o silêncio; sou o choro e a risada. Sou a eterna abundância; pois sempre dou importância, para a semente lançada, num solo de doce fragrância, pois o meu nome é Strada Sou o Rei e a Rainha; sou o súdito e o reinado; sou a Coroa e a Forca, o Algoz e o Enforcado. Uso a máscara da Vida, mas me confundem com a Morte. Sou o Azar e a Sorte, e, aquela que foi dispensada. Sou a bandeira da Paz mas me trocam pela Guerra, na tirania da Terra, me vejo desapontada, porém, quem me ama não erra, pois o meu nome é Strada Saindo de um turbilhão; alçando a torre encantada; me vejo como uma estrela, de Lua e Sol enfeitada. Com certeza amanhã, estarei acompanhada, do Anjo que é puro é lan, de uma mulher coroada. Sou a roca, sou o fio, sou tecelã afamada, na teia eu desafio quem faça a melhor laçada, pois entre a chama e o pavio, eu tramo a trama esperada, mesmo que seja apenas, por uma curta jornada. Me coloque em sua vida, como uma moça querida, que precisa ser amada; em troca posso lhe dar, o bem maior deste mundo numa bandeja dourada. Me traga no coração para me deixar encantada. Não me esqueça e me honre com sua gentil chamada, grite bem alto o meu nome. Me chame, me chame, eu sou a sua cigana estrada

Fonte: https://povodearuanda.wordpress.com 

Autor: Helena Rêgo/Cigana Sttrada